quarta-feira, 4 de maio de 2011

O Dia do Trabalhador

Alguém sabe porque se comemora o Dia do Trabalhador? - Pxxt!!! Cala-te, que ninguém te perguntou nada!!! - Pois... Ninguém sabe, tal como eu calculava.

Diz por aí que foi nos Estados Unidos em 1886 que esta moda começou. E que foi por causa de uma reivindicação de um grupo de trabalhadores, que se manifestaram nas ruas de Chicago exigindo uma redução das horas de trabalho de 16 para 8. Tudo mentira!!!! Blasfémia, digo eu!

Tudo começou com o Rei D. José I, em 1950, início do seu reinado, mas também o início do verdadeiro responsável pelo feriado Dia do Trabalhador, o Secretário de Estado do Reino, Marquês de Pombal.
Pois foi uma longa caminhada de 5 anos de reformas em Portugal, realizadas por D. José I, com a batuta do Marquês de Pombal, até que, em 1755, tudo mudou. Um enorme terramoto destrói grande parte de Lisboa, chegando até ao Algarve, inclusive.
A destruição foi monstruosa, as baixas: aos milhares; o prejuízo: incalculável!
Mas a genialidade do Marquês de Pombal fez-se ver e a reconstrução começou! Ao princípio tudo corria como o planeado até que, sem que nada o fizesse esperar, um menino da mamã decide que 16 horas de trabalho na reconstrução da grande cidade de Lisboa eram demais, pelo que junta mais alguns meninos da mamã e organizam um greve seguida de uma manifestação, reivindicando apenas 8 horas de trabalho. Os nomes destes pingentes não chegou até nós, visto ter sido apagado de todos os livros de História escritos desde então. Porquê? Porque estes meninos são os principais responsáveis pelo mau cheiro que se faz sentir em Lisboa hoje em dia!

O Marquês de Pombal e o Rei D. José I não tiveram outra hipótese senão aceder às exigências até porque o reinado de D. José iria acabar já em 1777, e o rei queria as obras acabadas ainda em vida.
Diz-se que o grande sismo de 1755 se deu a 1 de Novembro desse mesmo ano, tá claro, mas tudo não passa de um erro cronográfico. O calendário usado na altura era o Juliano, ainda não tendo sido feita a transição para o Calendário Gregoriano, o que gerou alguma polémica. A mudança deu-se em 1582, mas em Portugal só em 1826 o calendário Gregoriano se deu a conhecer aos portugueses pelas mãos do Rei D. Pedro IV de Portugal, numa aparição fantasma de 7 dias, só mesmo para trazer o dito calendário.
Ora, graças ao tradicional atraso de vida português, desengane-se quem pensa que o sismo de 1755 foi em Novembro, e como se deixou de ter a certeza de quando se deu, o feriado Dia do Trabalhador passou para o dia 1 de Maio, só por soar bem.
Assim, e em 2011, mais uma vez se comemora o dia em que meia dúzia de meninos da mamã acharam que 16 horas de trabalho diário era muito. Aceitem o facto sem lamurias nem queixumes!

Já agora, alguém sabe quem é o melhor do mund' Europa? - Pxxt!!! Cala-te, que ninguém te perguntou nada!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

© Joel Santinho



NOTA: Todo o conteúdo deste blog é baseado em factos reais sendo que se torna muito difícil distinguir a ficção da realidade. Todas as imagens neste blog são descaradamente roubadas aos seus legítimos proprietários, desculpem lá qualquer coisinha! Se querem deixar o vosso desagrado façam-no nestes links:(http://tertuliacordeburroafugir.blogspot.com/)(http://www.youtube.com/tertuliacordeburro)

3 comentários:

  1. Estás completamente enganado, fui eu que inventei isso noutra vida... :P
    E gostas não gostas? Do dia do trabalhador?? ;)

    ResponderEliminar
  2. este ano não me disse nada, esse dia :P

    ResponderEliminar

A opinião veiculada nos comentários é a dos seus autores e não do Tertúlia Cor-de-Burro-a-Fugir.
Será responsabilizado o autor de qualquer comentário susceptível de lezar o bom nome, a honra ou a imagem de pessoas ou instituições, bem como o autor de qualquer comentário injurioso, ofensivo ou contrário às leis portuguesas... (Por outras palavras, vamos ter o direito de vos chamar nomes também!)
Qualquer comentário pode, a qualquer momento, ser rejeitado ou retirado pelo Tertúlia Cor-de-Burro-a-Fugir, sem necessidade de justificação... E mais nada!